Valores Invisíveis e Conhecimento Tácito—Os Geradores de Vantagens Competitivas Sustentáveis

Valores Invisíveis e Conhecimento Tácito—Os Geradores de Vantagens Competitivas Sustentáveis

A maior vantagem competitiva é a capacidade de agregar valores ao negócio a partir de um conhecimento que os outros não são capazes de aprender

  1. O que é valor invisível?
  2. O que é conhecimento tácito?
  3. Por que são geradores de vantagens competitivas sustentáveis?
  4. Como criar um ambiente que propicie o florescimento de valores invisíveis e conhecimentos tácitos?
  5. Que tipo de organização explora os valores invisíveis e os conhecimentos tácitos?

Encerramos, na nossa última publicação, uma série de dois posts onde no primeiro abordamos o fenômeno da Hipercompetitividade, que assola o ambiente corporativo atual; e no segundo, apresentamos um programa de Educação Corporativa, Turning Point Program (TPP), como o “remédio” que nos capacita a lidar com esse fenômeno adequadamente gerando vantagens competitivas sustentáveis.

Nossa intenção, para as próximas publicações, é descrever mais detalhadamente a estrutura do Programa de Educação Corporativa TPP. Entretanto, antes de iniciarmos essa descrição quero, neste post, reiterar a importância dos Valores Invisíveis e do Conhecimento Tácito como motores propulsores de vantagens competitivas sustentáveis. Isto porque são esses valores e conhecimentos que são trazidos à tona a partir da implementação do TPP.

1 – O que é valor invisível?

Valores invisíveis são aqueles ativos que não constam no balanço patrimonial contábil. Não há como quantificá-los precisamente através de um valor monetário. Não se pode ver ou tocar, nem tampouco precisar numericamente sua qualidade e eficiência. São estabelecidos e desenvolvidos ao longo dos tempos obedecendo a um crescimento contínuo; enquanto alimentados. Diz respeito à expertise individual e institucional. Dessa forma, a marca; a reputação; a cultura corporativa; as habilidades específicas e as experiências acumuladas, do indivíduo e da instituição; o clima organizacional, entre outros; são exemplos desses valores.

2 – O que é conhecimento tácito?

O que vem à sua mente quando você ouve a palavra conhecimento? Muitos de nós nos reportamos a ambientes acadêmicos; salas de aula; grupos de pessoas sentadas em cadeiras enfileiradas (às vezes em círculo) enquanto alguém, de pé, num lugar mais elevado, discursa. Pensamos em livros; mentores; pessoas de becas jogando o capelo para o alto com sorriso estampado no rosto numa cerimônia de formatura. Na grande maioria das vezes, isso é o que nos vem à memória quando pensamos em conhecimento e na aquisição deste.

Para a grande maioria das pessoas, a construção do saber corresponde a uma lógica cartesiana onde a presença de um mentor, um discípulo e uma forma de registro do conhecimento para consulta e replicação futura; têm que existir. Isso funciona e é muito válido. Todavia, não é a única forma de construção do saber.

É muito difícil para a nossa cultura cartesiana; quantitativa; positivista e não sistêmica; aceitar a possibilidade de um conhecimento que não possa ser documentado, expresso por palavras e ensinado tradicionalmente de um indivíduo para o outro. Como é que eu posso aprender alguma coisa com alguém que não aprendeu com alguém essa coisa para me ensinar!? (eu sei, às vezes minha cabeça também dá nó! Leia de novo mais devagar, por favor, você vai entender!).

Sem dúvida nenhuma, a subjetividade do termo, invisível e tácito, dificulta a nossa compreensão à primeira vista. Vivemos em um mundo onde o objetivo; o quantitativo; o concreto; o positivo; o não sistêmico; o tangível; o mensurável são os parâmetros que nos norteiam, enquanto pessoas físicas e instituições. É muito difícil para as pessoas e instituições fazerem qualquer tipo de avaliação que não seja baseada nesses parâmetros estatísticos, numéricos… em resumo; quantitativos. Não há nada de errado na utilização desses parâmetros visíveis, vamos tratá-los assim, na construção do saber. Mas não é a única forma. Nem tampouco a mais eficaz.

Resumidamente, o conhecimento tácito é aquele conhecimento construído informalmente a partir da convivência de pessoas que comungam dos mesmos objetivos. São impossíveis de serem documentados e ensinados através da língua falada ou escrita. São fundamentados na experiência individual e grupal e assimilados por convivência. Daí o seu poder na geração de vantagens competitivas sustentáveis. Não há como copiá-los.

3 – Por que são geradores de vantagens competitivas sustentáveis?

Porque não são, como já dito, copiáveis. Quando observamos algumas organizações perpetuando-se através dos tempos com tamanha maestria e eficácia, que nos deixam boquiabertos; podemos dizer com convicção: suas estratégias são elaboradas a partir da exploração de seus conhecimentos tácitos e de seus valores invisíveis. Ninguém consegue copiar!

4 – Como criar um ambiente que propicie o florescimento de valores invisíveis e conhecimentos tácitos?

Esses conhecimentos e valores afloram em ambientes de longa convivência entre pessoas que comungam dos mesmos objetivos. Brotam do compartilhamento de visões entre pessoas afins e, portanto, não são explicitados em manuais, o que torna impossível sua replicação por outsiders. Daí sua capacidade de gerar vantagens competitivas sustentáveis.

Quando a elaboração de estratégias é baseada, única e exclusivamente, em parâmetros técnicos prescritos em manuais que correspondem às expectativas e regras do segmento de indústria no qual a organização está inserida; os resultados são limitados por períodos de tempo.

Explicando bem explicadinho (ou tentando fazê-lo), quando elaboramos estratégias baseadas nestes parâmetros explícitos, os resultados correspondem a um aumento na produtividade de X% por um período X de tempo. Ou seja, um início, um meio e um fim de um ciclo de vantagem competitiva. Não é sustentável. Quando o ciclo acaba, eu tenho que criar novas estratégias capazes de gerar um novo ciclo e assim por diante. É aquela velha história de “matar um leão por dia”.

Por outro lado, quando elaboramos a estratégia extrapolando o tangível e explorando os valores invisíveis e os conhecimentos tácitos; entramos num ciclo virtuoso de geração de vantagens competitivas que somente tem um começo e um meio, sustentando-se através dos tempos. É o sonho de consumo de toda e qualquer organização e pessoa física também. Criar esse ambiente que, paradoxalmente, vê com clareza o invisível; é o grande desafio.

5 – Que tipo de organização explora os valores invisíveis e o conhecimento tácito?

Ao contrário do que se pensa; explorar o potencial dos valores invisíveis e dos conhecimentos tácitos na geração de vantagens competitivas sustentáveis; não é privilégio dos “Deuses do Olimpo!”. Acredito, sinceramente, que eles só se tornaram corporações gigantes por explorarem seus valores invisíveis e seus conhecimentos tácitos desde os primeiros passos.

É um ledo engano pensar que eles começaram a fazer isso depois que se tornaram potências organizacionais. Certamente, eles aprimoraram esse mecanismo à medida que os recursos encorparam, criando mais facilidades para que esses conhecimentos e valores se consolidassem cada vez mais e mais e mais… daí a perpetuação através dos tempos.

Os Googles cafés são um exemplo de uma das facilidades criadas pela Google para que, a partir do compartilhamento de visões, esses valores e conhecimentos se consolidassem. O intuito desses espaços de convivência é promover a interação entre indivíduos e departamentos para a famosa “troca de figurinhas” que constrói esses valores e conhecimentos.

O TPP é o primeiro passo para que isso ocorra, visto que um de seus objetivos é conscientizar as pessoas da importância dos valores invisíveis e do conhecimento tácito na geração de vantagens competitivas sustentáveis. A partir desta conscientização, as facilidades capazes de promover a interação entre indivíduos e departamentos, são criadas. Esta interação propicia o compartilhamento de visões, que trazem à tona esses valores e conhecimentos. Este approach não é privilégio dos grandes jogadores. Ao contrário, está disponível a todos quantos acreditarem na sua possibilidade e eficácia.

Em resumo, Os valores invisíveis e os conhecimentos tácitos são os motores propulsores de vantagens competitivas sustentáveis. Esses valores e conhecimentos são construídos informalmente a partir da convivência entre pessoas que comungam dos mesmos objetivos. Dessa forma, meios que facilitem a interação entre colaboradores em todos os níveis hierárquicos; devem ser estabelecidas. O TPP é um Programa de Educação Corporativa que estabelece a “mecânica” de construção desse ambiente e a consequente criação e exploração desses valores e conhecimentos.

Nos nossos próximos encontros, descreveremos as etapas do TPP mais detalhadamente. Conto com sua presença. Até lá.

2018-03-26T23:34:34-03:00 26 de março, 2018|Educação Corporativa|0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: