A Entrevista no Processo de Contratação – Vamos montar um Time?

A Entrevista no Processo de Contratação – Vamos montar um Time?

“Falar é uma necessidade, escutar é uma arte”. (Goethe, Johann)

Dando continuidade à nossa série de três posts sobre o processo de contratação, trataremos neste do segundo passo do processo—A Entrevista. Lembrando que no post anterior discorremos sobre o processo de Recrutamento.

Entrevista bem dirigida:

A entrevista é o processo através do qual se sonda o candidato a respeito de suas reais potencialidades, caráter, conceitos formativos, éticos e morais. Obviamente, não se traça o perfil do caráter de ninguém em poucas entrevistas, mas quando este processo é bem dirigido, tendências de comportamento individual podem sim serem observadas. Trabalhar com dinâmicas de grupo e jogos ajudam bastante neste aspecto. Se você quer conhecer mais sobre uma pessoa; jogue com ela! As pessoas se transformam em ambientes competitivos! E, na maioria das vezes, demonstram o que realmente são. Para que tudo transcorra bem, alguns cuidados devem ser observados, os quais passo a descrever:

1 – Jogo de cartas marcadas

Conduza a entrevista de forma a evitar o famoso jogo de cartas marcadas onde o entrevistado(a) responde aquilo que o entrevistador(a) quer ouvir. Evite perguntas óbvias que terão respostas óbvias. Por exemplo: você funciona bem sobre pressão? Obviamente, o candidato(a) não vai dizer que arranca os cabelos sob pressão e não funciona bem! Esperar que o candidato(a) dê respostas “muito sinceras” sobre suas limitações e fragilidades não é uma boa tática de entrevista. O entrevistador vai ter que bolar outros meios para obter respostas mais “originais” para determinados tópicos relacionado à postura profissional e controle emocional. Daí a utilização de dinâmicas e jogos vem bem a calhar. A literatura está abarrotada de modelos. Pesquise e escolha a que melhor atenda às suas necessidades.

2 – Ambiente apropriado – Atmosfera amigável

Escolha um lugar adequado para receber o entrevistado(a) (claro, confortável, limpo, com privacidade). Mostre ao candidato(a) que ele está se juntando a uma empresa organizada. Refiro-me a organização e higiene. Não há necessidade de suntuosas instalações, mas ambiente limpo e organizado é uma obrigação.

Crie uma atmosfera amigável deixando o(a) entrevistado(a) à vontade. Se possível saia de trás de sua mesa e coloque-se à frente do entrevistado(a). Assuma uma postura relaxada; nada de braços cruzados ou recostado na cadeira numa postura de superioridade. “Bata um papo” informal antes da entrevista propriamente dita. Por exemplo, fale sobre o que está acontecendo, do clima, enfim…quebre o gelo. Se você pretende tomar nota de alguns pontos, avise ao entrevistado(a) e diga que esse é um instrumento que facilita a sua avaliação. Tenha o cuidado de não se deter em muitas anotações e nem o faça imediatamente após uma colocação do entrevistado(a). Anotar algo imediatamente após a uma colocação do candidato(a) pode criar a sensação de que aquele tópico é relevante e, a partir deste ponto, o entrevistado(a) pode se desconcentrar e querer voltar ao tópico, aleatoriamente, acreditando que suas chances de contratação melhorarão. Às vezes, a anotação naquele momento foi uma mera coincidência e o rumo da entrevista foi comprometido. Portanto, tome cuidado quando for fazer anotações.

3- Imagem da Organização

Outro aspecto importante da entrevista diz respeito à imagem da empresa. Enalteça a imagem de sua empresa. Dê um panorama geral de sua empresa. Quanto tempo de atuação no mercado, qual é a filosofia, sua missão, seu jeito de fazer negócio. Quais são os benefícios que ela oferece aos seus colaboradores e as possibilidades de crescimento. Contudo, não exagere nos elogios para não soar falso nem acrescente nada que não possa ser comprovadamente verdadeiro. Da mesma forma que você quer conhecer o candidato(a), ele(a) também tem o direito de saber pelo menos um pouco sobre a empresa. Claro que há limites nessas informações; afinal, ele(a) pode não ser o candidato(a) escolhido. Informações estratégicas não podem ser compartilhadas com estranhos, mas um panorama geral é apropriado.  Devemos considerar que todos são clientes em potencial; ou seja, mesmo que ele(a) não seja contratado(a), ele(a) conheceu mais sobre sua empresa e quem sabe pode se tornar um(a) cliente no futuro ou fazer uma boa indicação (não podemos perder nenhuma oportunidade de negócio, por menor que ela possa parecer!).

4- Fale pouco; ouça muito!

Outro aspecto importantíssimo—Fale pouco; ouça muito. Não caia na tentação de falar mais do que ouvir. Não se empolgue desenvolvendo temas e chegando a conclusões pessoais. Lembre-se—Você é o entrevistador(a), não o entrevistado(a). Você está ali, primordialmente, para conhecer alguém, não para se fazer conhecido(a). Dessa forma, utilize perguntas abertas que evitem respostas tipo “sim” ou “não”. Quando receber respostas curtas, peça que o entrevistado(a) lhe dê detalhes. Faça com que ele fale a maior parte do tempo possível da entrevista. Em média, o entrevistador(a) deve gastar 20% do tempo da entrevista falando e 80% ouvindo.

E assim concluímos o segundo passo no processo de contratação—A Entrevista. Discutiremos no próximo post sobre os passos seguintes que completam a sequência do processo—a Seleção e a Contratação propriamente dita. Até lá!

2019-02-04T17:15:21-02:00 11 de setembro, 2017|Recursos Humanos|0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: