Diagnóstico Organizacional – Vamos por ordem na casa?

Diagnóstico Organizacional – Vamos por ordem na casa?

“Era uma casa muito engraçada, não tinha teto não tinha nada. Ninguém podia entrar nela, não, porque na casa não tinha chão” (Vinícius de Morais)

Hoje iniciaremos uma série de posts que tratam do assunto Realinhamento Organizacional. O processo que descreveremos a partir deste post visa a criação de uma Organização voltada Para o Aprendizado (OPA!); Isto é, um ambiente corporativo voltado para o constante aprendizado que seja capaz de criar, identificar, desenvolver e aplicar o conhecimento adquirido na geração de vantagens competitivas duradouras. O processo sugere uma serie de passos coordenados que analisa e redireciona os fatores estratégicos que garantirão a longevidade bem sucedida da organização ao mesmo tempo em que reformula a cultura organizacional.

Tudo começa com a realização do Diagnóstico Organizacional.  Sem dúvida nenhuma o diagnóstico organizacional é de suma importância no processo de análise e redirecionamento dos Fatores Estratégicos que garantirão a longevidade bem sucedida da organização. Seu objetivo maior é nortear a organização alinhando seus processos operacionais na direção adequada para o alcance da qualidade como um todo. Baseia-se, fundamentalmente, na análise da estrutura; dos processos; das pessoas; das tecnologias e do ambiente organizacional. Em outras palavras, o diagnóstico organizacional analisa os fatores críticos que limitam o desempenho e o crescimento organizacional assim como também traz à tona os fatores estratégicos capazes de realinhar as práticas organizacionais em direção da qualidade e maior produtividade. Não se pode imaginar uma organização, seja ela de que porte for, nos tempos atuais, que não se submeta a este processo sistematicamente.

O diagnóstico organizacional avalia os diversos setores da organização, em um determinado espaço de tempo, com o intuito prioritário de medir o desempenho. Também se destina à avaliação e análise dos processos e do negócio como um todo. Ou seja, um diagnóstico
organizacional desenvolvido adequadamente é capaz de vislumbrar variáveis específicas e gerais que interferem diretamente no resultado de um determinado setor e na organização como um todo. Em resumo, é a visão distinta da árvore e da floresta e da relação entre ambas.

É imperativa a coleta de dados e informações para a elaboração de um fidedigno diagnóstico organizacional. Para tanto, é necessário que dados e informações reais sejam fornecidos sem reservas e utilizados sob a proteção da lei que regulamenta e protege a confidencialidade industrial (Lei 9.279/1996 – Lei da Propriedade Industrial). Tal lei protege segredos industriais, considerando concorrência desleal o seu uso desautorizado. A legislação também criminaliza o uso de dados confidenciais obtidos durante relação contratual ou empregatícia, ou que tenham sido obtidos de forma ilícita ou fraudulenta (artigo 195, incisos XI e XII).

Dessa forma, o levantamento e a análise de dados econômico-financeiros com o intuito de medir o desempenho tem que ser observado.  A análise da produtividade e da qualidade dos produtos ou serviços oferecidos pela organização respondendo as questões: Qual é o custo da venda do produto? Qual é o custo da oferta dos serviços? Os serviços e produtos ofertados atendem às necessidades do cliente? Há desperdícios no fluxo de produção? Todos esses aspectos são da maior relevância. Além do mais, analisar as vendas no que diz respeito às políticas gerais; às políticas de preço; às políticas de atendimento; às políticas de entregas, são igualmente importantes. Importantíssimo também é checar se as políticas gerais de vendas estão alinhadas com a missão e os objetivos da organização.

Outro aspecto a ser analisado neste processo são os Recursos Humanos. Em outras palavras, o levantamento das políticas gerais de RH no tocante à contratação, retenção de talentos, treinamento e educação, além do plano de cargos e salários e os benefícios; precisam ser observados. Por último, mas não menos importante, é necessário observar o fluxo de Distribuição da Informação. Ou seja, a informação é distribuída adequadamente, sem falhas de comunicação, para a pessoa certa no local certo, em tempo hábil? O processo de distribuição da informação é sistematizado? E o mais importante – A informação é relevante?

Esses fatores são, dentre os aspectos quantitativos, a meu ver, os mais relevantes a serem avaliados no processo de diagnóstico organizacional. Não obstante, aqueles fatores que dizem respeito ao clima organizacional e, portanto, subjetivos, tais como relacionamento interpessoal, nível de comprometimento das pessoas entre outros; merecem a mesma atenção. Não podem, simplesmente, ser relegados ao segundo plano ou, pior, ignorados, baseado na sua subjetividade e, consequentemente, de difícil medição.

Avaliação de Desempenho

Resumidamente, um diagnóstico organizacional bem dirigido avalia o desempenho de um determinado período de tempo passado com o objetivo de estabelecer parâmetros fidedignos para avaliações comparativas do desempenho futuro, após o redirecionamento estratégico ter sido implantado.

 

Missão; Objetivos; Estratégias e Políticas

É sabido que um dos aspectos fundamentais para se alcançar sucesso organizacional, diz respeito à clara e consistente noção da identidade corporativa.  Em outras palavras, a capacidade das pessoas envolvidas no negócio de perceberem e identificarem o propósito da organização e, mais importante, claramente estabelecerem as diferenças singulares em relação às outras empresas do mesmo segmento. A percepção de unicidade. Resumidamente, a noção clara da Missão da organização. Todas as pessoas que constituem a organização têm que ter a capacidade de responder às perguntas fundamentais neste aspecto: Qual é a razão da nossa existência? Por que fazemos o que fazemos do jeito que fazemos? Qual o aspecto fundamental que nos faz diferentes dos que se parecem iguais a nós?

A percepção clara da missão da organização por parte dos seus componentes é um aspecto capital do diagnóstico organizacional. Analisar se os objetivos, as estratégias e as políticas atuais são congruentes com a missão da organização proporcionará subsídios importantes para o realinhamento estratégico da empresa. Ou seja, a partir do diagnóstico organizacional, aspectos críticos referentes à missão, objetivos, estratégias e políticas, são trazidos à tona possibilitando uma reformulação adequada destes aspectos.

No próximo post falaremos sobre governança corporativa, os ambientes interno e externo da organização e como identificar o grupo estratégico que a organização participa. Esses são os passos seguintes a serem tomados neste processo de realinhamento organizacional. Espero que a leitura seja uma informação útil para você e, sobretudo, que você se divirta com ela. Até lá!

2017-06-14T19:30:05-03:00 24 de abril, 2017|Gerenciamento Estratégico|0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: