Você sabe o que é Resiliência?

Você sabe o que é Resiliência?

Às vezes, um band aid resolve!

O que é resiliência, segundo a Física?

Como as Ciências Humanas descrevem o termo resiliência?

Quando tudo está acabado?

Vai durar para sempre?

São muitas as dúvidas em torno do termo resiliência. Entender o porquê de algumas pessoas, organizações e nações serem mais resistentes que outras frente às inesperadas adversidades da vida, nos instiga a querer saber mais sobre o tema, não é verdade? Nossa proposta neste post é, de forma reduzida, esclarecer algumas dessas dúvidas. Seja bem-vindo(a)!

O que é Resiliência?                         

Resiliência é um termo descrito pela Física como sendo a “propriedade que alguns corpos têm de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação”. A mola, o elástico, a espuma, a bola de encher são exemplos clássicos de materiais capazes de retomar a sua forma original após terem sido submetidos à pressões externas.

Como as Ciências Humanas descrevem a Resiliência?

As ciências humanas adotaram esse termo, resiliência, analogamente, para descrever a capacidade que algumas pessoas, organizações e nações têm de, quando submetidos a algum infortúnio da vida, se reerguerem das cinzas vitoriosamente e, muitas vezes, mais resistentes, inclusive.

Os estudos sobre o tema nos levam a crer que a resiliência está relacionada com a amplitude e profundidade do campo perceptual de cada pessoa. Esse campo perceptual estrutura-se em torno de eixos de relacionamentos consigo mesmo, com as circunstâncias e com o eixo do tempo. Em outras palavras, a percepção da real dimensão do acontecimento, a temporalidade do acontecimento e quais áreas da vida ele atinge; são aspectos que nos ajudam a lidar com as adversidades mais resilientemente.

Quando tudo está acabado?

Quando morremos. Há quem diga que nem quando morremos! Em outras palavras, sem pieguice nenhuma, há sempre o que fazer para retornarmos o “trem aos trilhos”. Lidar com a adversidade de forma fatal acreditando que está TUDO acabado, ou que o problema perdurará para SEMPRE, ou ainda que o acontecimento tem proporções MAIORES do que as imagináveis; descreve uma postura nada resiliente. As pessoas, organizações e nações que lidam com as adversidades, inevitáveis da vida, dessa forma; têm pouquíssimas chances de se reerguerem diante de um infortúnio.

Na verdade, nenhum acontecimento, além da morte, pode afetar TODAS as áreas da vida de ninguém! Se a pessoa está financeiramente quebrada, por exemplo, ela continua com a mesma saúde de antes; sendo pai ou mãe dos mesmos filhos; torcendo para o mesmo time de futebol; sendo marido da mesma mulher, e vice-versa (na maioria das vezes); sendo chamada pelo mesmo nome… ou seja, ela só não tem mais dinheiro; o “resto” continua a mesma coisa! Vamos parar de botar TUDO no mesmo pacote! A bagagem fica mais suave quando carregamos o estritamente necessário, acredite.

Vai durar para sempre?

Nada dura para sempre! “Não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe”. Renato Russo estava certo quando escreveu: “se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar que tudo era pra sempre sem saber que o pra sempre; sempre acaba”. As mães sempre estão certas quando dizem: “vai passar, querido(a)!”.

Temos uma terrível tendência danosa de amplificarmos o que é ruim. Parece que a vitimização, de certa forma, nos acalenta o ego atraindo os olhares piedosos dos que nos rodeiam. O sensacionalismo e as tempestades em copos d’água vendem mais jornais do que qualquer outra manchete.  Alimentamos, inconscientemente, essa síndrome do(a) coitadinho(a) que corrói a nossa autoestima tornando-nos pessoas incapazes de se reerguer diante dos revezes da vida. “Sacudir a poeira e dar a volta por cima” é uma real possibilidade. Não é, somente, um verso inspirado do poeta. Voltaremos a falar sobre esse tema na nossa próxima publicação semana que vem. Até lá!

2020-01-05T17:17:01-03:00 9 de dezembro, 2019|Resiliência Organizacional|0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: