O que vamos fazer agora? Deu friozinho na barriga!

O que vamos fazer agora? Deu friozinho na barriga!

“… no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”. (João 16:33)

  1. Nada é tão bom que não possa ser melhorado. A recíproca é inversamente proporcional
  2. Nossa vida é um sistema compartimentalizado. Não coloque tudo no mesmo pacote
  3. O tempo é uma valência subjetiva. Depende da interpretação de cada um

Somos bombardeados todos os dias com notícias desanimadoras. Algumas são fakes. Outras, nem tanto. O mundo vive um momento de profunda reestruturação e como toda mudança, a instabilidade e o desequilíbrio são inevitáveis, sejamos pessoas físicas ou instituições organizacionais.

Decidi escrever esse post na esperança de trazer alento para todos nós. Sejamos pessoas ou instituição, os efeitos das “más novas” têm o poder de nos desestabilizar. Não bastasse a luta pessoal cotidiana no enfrentamento de doenças; aperto financeiro; desamores… temos que ouvir, diariamente, que um novo vírus vai dizimar a humanidade; que a Austrália está em chamas; que o dólar está nas alturas; que o aquecimento global é irreparável; que não haverá futuro.

As adversidades não são maldições sobre às cabeças de alguns infortunados. Estamos todos sujeitos a elas. A forma com que as enfrentamos, é que faz toda a diferença. A decisão de abraçarmos a felicidade, com todas as nossas forças, e rejeitarmos a condição de “coitadinhos”; é só nossa. A grama pode ser mais verde do lado de cá da cerca; acredite!

Separei três reflexões na tentativa de ajudá-lo(a) a ter uma postura mais resiliente diante de todo esse mar de más notícias que enchem o nosso dia (e saco) de pensamentos pessimistas nos empurrando para um ciclo vicioso de tristeza, amargura, derrotismo.. Vamos a elas:

Nada é tão bom que não possa ser melhorado. A recíproca é inversamente proporcional

É um ledo engano acreditar que o seu negócio bateu no teto e que não há mais nada a fazer para continuar progredindo. Da mesma forma, acreditar que você alcançou uma idade que já não lhe permite mais progredir fisicamente ou intelectualmente também é um erro. Há sempre “lenha a queimar”, sejamos pessoas físicas ou instituições. Acreditar nesta possibilidade e buscá-la nos faz lembrar, diariamente, que estamos vivos. Fica mais fácil de enfrentar as más notícias quando agimos dessa forma. Experimente!

Toda moeda tem dois lados; ou seja, podemos tornar pior o que já está bem ruim. Somos todos capazes de executar, com maestria, esta proeza. Não dá para ser resiliente exacerbando as desgraças. Não dê audiência às más notícias! Mantenha-se informado, mas não traga para a roda de amigos notícias alardeadoras e sensacionalistas que só fazem as pessoas ficarem para baixo. Ria! Ria sempre! Ainda é o melhor remédio.

Nossa vida é um sistema compartimentalizado. Não coloque tudo no mesmo pacote

Nossa vida funciona sistemicamente de forma compartimentalizada. Precisamos entender que, embora todas as áreas de nossas vidas estejam sistemicamente ligadas; elas não são a mesma coisa. A árvore é a árvore. A floresta é a floresta. Estão ligadas sistemicamente, mas são compartimentos separados. O trabalho é o trabalho. O teu casamento é o teu casamento. Tua relação com os amigos é a tua relação com os amigos. Tuas finanças são tuas finanças…

Portanto, um problema no trabalho não deve interferir na tua relação conjugal; a falta de dinheiro não deve atrapalhar tua relação com teus filhos e por aí vai. É extremamente danoso quando colocamos tudo no mesmo pacote tipo: “perdi o emprego; minha vida acabou!” Não, não acabou. Você continua com o mesmo nome, sendo filho dos mesmos pais; casado com a mesma pessoa…

O tempo é uma valência subjetiva. Depende da interpretação de cada um

Um ano para quem tem 17 anos é uma eternidade. O mesmo ano para quem tem 60 é uma gota no oceano. O tempo demora muito para quem tem pressa e passa rápido demais para quem não tem. É uma valência subjetiva.

Seja lá qual for o momento que você está enfrentando agora, saiba que vai passar. “Não há mal que sempre dure…” Entender o tempo fisicamente nos ajuda a suportar os momentos difíceis e saborear aqueles que não queremos que acabe nunca, dentro de uma perspectiva real, racional. Dessa forma, nos tornamos pessoas, ou instituições, mais preparadas para os desafios da vida.

Em resumo, quando lidamos com as adversidades cotidianas considerando que nossa visão pode melhorar ou piorar as coisas; que elas, as adversidades, não podem atingir todas as áreas de nossa vida e que não irão durar para sempre; conseguimos seguir adiante explorando o melhor daquilo que está disponível. Não desanime. Dias melhores virão!

2020-03-09T11:02:31-03:00 9 de março, 2020|Resiliência Organizacional|2 Comentários

2 Comentários

  1. Vera Amaral 12/03/2020 at 19:20 - Reply

    Vcs como sempre, fazendo a diferenca, continuam sendo um exemplo de determinacao, paciencia e perscistencia.
    Congratulations! Love you guys!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: